.....................................................................Escritor clandestino é quem navega neste mar literário
...................................................................................sem se preocupar com o itinerário.

.......................................................................................A.J. Cardiais

Um Novo Alento - A.J. Cardiais














O amor me ilumina...
Então eu grito:
haja rima!
E a minha sina
é vagar e vulgar.

Caminho lento
e o vento
me faz lembrar
um amor...

Sinto que sou vulgar
quando penso
que o amor é como o vento:
passa, cessa, mas não pode acabar....

Um novo sopro,
um novo vento,
sempre tem que existir
para amenizar o calor.

E um novo amor,
um novo alento,
para esconjurar a dor.

A.J. Cardiais
imagem: google
Poema do livro Psicografando-me