.....................................................................Escritor clandestino é quem navega neste mar literário
...................................................................................sem se preocupar com o itinerário.

.......................................................................................A.J. Cardiais

Deixe o Vento Passar


Coitado do vento...
Vem se esbarrando nos prédios,
construídos sem um ordenamento
que não lhe barre a passagem.

Deixe o vento passar,
e levar os pensamentos
poluídos de coisas destruidoras.

Deixe o vento passar,
como uma vassoura,
e varrer toda poluição.

Quando o vento se zanga,
e vem como um furacão,
as pessoas ficam dizendo
que é uma maldição.

Deixe o vento passar,
para depois
não reclamar.

A.J. Cardiais
11.02.2011
imagem: google

Indefinido Amor - A.J. Cardiais




O que fazer com este amor
que acendeu-me uma luz
e, ao mesmo tempo,
pregou-me na cruz?

Vivo abotoado de alegria
e disperso em meio à calmaria
que este amor conduz.

Esta falta de vento
não me leva a nada...
Sinto que é longa
a minha caminhada.

Mesmo sem horizontes,
sem estrelas para me guiar,
sem um destino certo a seguir,
eu tenho que ir...

Só ir... Seja como for.
Preciso viver a saga
ou a sina
deste indefinido amor.


A.J. Cardiais
imagem: google


Açúcar Derramado


Em se falando de amor, sou mudo...
Talvez até tão invulgar,
quanto açúcar derramado na calçada.
Eu não sou nada,
mas quero fingir-me de culto.

Talvez eu tenha a palavra errada
para o momento certo.
Talvez eu seja um deserto,
em se falando de amor.

Só não quero a dor em minha rima.
Prefiro até a morte...
Quem sabe, por sorte,
ela seja o princípio
do princípio, do princípio???

E como o princípio é o amor,
talvez eu encontre
a real razão de tudo isto:
VIVER.

A.J. Cardiais
07.01.1990

O Desfolhar dos Sonhos
















Os meus sonhos foram-se com o tempo,
e a realidade mostrou-me sua força...
De repente fez-se o temporal,
e o aguaceiro desabou
sobre minha ilusão...

O que faço agora,
no meio desse temporal,
perdido e sem proteção???

Eu, que esperava muito
nos meus sonhos,
agora vejo-me sem nada...

E por mais que eu queira,
por mais que eu lute,
não consigo encontrar
metade da minha ilusão.

A.J. Cardiais
09.04.1982
imagem: google

O Oculto da Vida


Não sou poeta de gabinete.
(já disse isso)
Vivo com meu estilete
recortando a vida...

Vejo em cada fim do dia
uma despedida.
Repare o sol sumindo:
ele não desce sorrindo...

Também não desce chorando.
Ele desce fingindo
que o dia está acabando
e que a noite já vem chegando.

O que é a noite senão,
o lado escuro do dia?
Então a vida está
oculta na noite.

A.J. Cardiais
04.11.2010
imagem: a.j. cardiais

Falsidade



















O que é que eu faço,
neste mundo falso?
A falsidade passeia
nos sorrisos forçados
entre dentes esbranquiçados,
mas sem nenhum brilho.

Movida pelas vaidades
a sociedade se expõe
aos elogios vazios
de sentimento e de sinceridade.

Tudo é uma troca:
eu exalto sua bosta,
você elogia minha merda.

E os que não sentam “no trono”,
os filhos do abandono,
ficam pensando:
isto é que é vida...

A.J. Cardiais
18.03.2011
imagem: google

Iludindo a Vida - A.J. Cardiais














Vivo um sonho dentro da realidade,
mas separo o joio do trigo.
Quando estou na tempestade,
procuro abrigo,
não dou uma de super-herói.

Não aceito desafios,
só “pra defender meus brios”...
Muita coisa eu deixo passar.
Não estou aqui pra brigar.

“Eu vim aqui foi pra vadiar.
Eu vim aqui foi pra vadiar.
Vadeia Cosme, vadeia.
Vadeia Cosme, vadeia...” *

... E assim vou iludindo a vida,
até que a morte nos separe.

* canto de Umbanda para Cosme e Damião.

A.J. Cardiais
15.02.2011
imagem: google

Quando a Morte Vem

imagem: google

As pessoas precisam entender que não existe “preparação” certa, para evitar a morte. Quando o médico manda o paciente evitar de comer gordura, fritura, sal, açúcar, deixar de beber, de fumar, fazer exercício etc, ele está fazendo isso para que a pessoa viva com saúde e evite as doenças. Quando ele fala que se a pessoa continuar fazendo uso dessas coisas irá morrer logo, acho que ele só esta querendo assustar. Eu acredito que a morte só leva alguém quando chega o dia da pessoa. Se fosse assim, todas as pessoas que malham e que se cuidam só morreriam bem idosos. Mas não é o que a vida nos mostra.

Vejam como só morre quem tem que morrer: quantos acidentes você já ouviu falar que, entre várias pessoas, só uma ou duas ficaram vivas? Uma vez eu li (isso já faz tempo) que um avião havia caído em um lugar, e o único sobrevivente foi um bebê... Como pode? O caso do cantor Herbert Viana é um exemplo,  e tem muitos outros casos.

Tem gente que come tanta “porcaria” que faz mal à saúde, e não sente nada... Às vezes morre de velho. Tem gente que bebe, fuma, pinta os canecos, e só vai morrer depois de bem velho. Aí vão dizer: é uma questão de genética. Recentemente um médico, de 51 anos, morreu vítima de infarto fulminante.  Como não entendo de medicina, eu pergunto: para ter esse infarto fulminante, ele já deveria apresentar qualquer sintoma que indicasse essa possibilidade, não? O cara era presidente do Sindicato dos Médicos, meu... Não é possível que ele não soubesse qualquer coisa a respeito dele mesmo. Segundo estou lendo aqui no jornal, ele mesmo entrou em contato com a SAMU quando sentiu-se mal. E quando estava sendo encaminhado a um hospital, teve duas paradas cardíacas.

Se fosse uma pessoa qualquer, talvez até os parentes ficassem culpando os médicos do SAMU pela morte, dizendo que eles demoraram, que eles são negligentes e etc. As pessoas sempre querem um culpado para a morte de alguém. E a morte, como não é besta, procura sempre uma desculpa pra dizer que a pessoa morreu por causa disso ou daquilo, não porque chegou o dia da pessoa partir. 

A.J. Cardiais

Mau Conselho

imagem: google

Escrever algo e postar é como montar um telhado de vidro. Você tem que estar preparado para receber de tudo: tanto a luz do sol e da lua, como as pedradas e as tempestades. Afinal você estará expondo seu pensamento, sua vontade, sua verdade, sua mentira... Sei lá. Você estará se expondo. E para se expor, até mesmo para quem gosta de chamar atenção, precisa ter “argumento”. Principalmente se for escrevendo. Vai ter gente dizendo que você deveria ter feito assim e assado, que você deveria ter usado isso e aquilo... Vai ter gente criticando sua linguagem, vai ter gente apontando suas falhas... Mas também tem o seu lado bom: além de você “descarregar” seu sentimento, pode ter alguém elogiando sua maneira de escrever, pode ter alguém elogiando sua coragem de se aventurar a escrever sem ser nenhum “acadêmico”, pode ter alguém lhe agradecendo por você ter mostrado um novo caminho... (tudo isso é suposição de sonhador).
Mas o mais importante é a adrenalina que ficará reinando, enquanto você espera o resultado da sua “ousadia”. Eu falo “ousadia” porque, quem escreve “cheio de pompa”, cheio de conhecimento e senhor de si, só espera colher louros com sua escrita. Quando ele mostrar o “currículo”, ninguém se atreverá a dizer que ele é feio. Se o cara for doutor, professor, pós isso, pós aquilo (só tem pós, nenhum pré), acadêmico, neurastênico... Todo mundo só terá boas falas. Quem se atreverá atacar o Doutor sabe tudo? Os outros Doutores serão os primeiros a acobertarem qualquer “falha”. Estou fugindo do meu objetivo, voltemos:

Lembre-se que você estará expondo sua maneira de pensar, de ver, de sentir a vida e as coisas. Então não espere que todos que lerem seu texto, vá pensar como você. Explique o que precisar ser explicado, aceite o que precisar ser aceito, mas não compre briga. Ninguém chuta cachorro morto. Se chutarem você, é porque você está vivo. Então tente ficar mais vivo ainda. Procure escrever o mais correto que puder, para não começar uma “escola” de escrever errado (Já basta a internet). No mais, é acreditar no que você faz, e tocar em frente. Se não fosse com a ousadia, Oswald de Andrade não teria modificado a forma de escrever poesia.

A.J. Cardiais
08.11.2011

Anelo - Mavie Louzada



ANELO

Ambiciono os sonhos mais altos
que sobrevoam o meu coração
topo da ilusão
onde a felicidade não tarda.

Não temo o falso lucro
louca, abuso do acreditar
o que a vida quiser doar
recebo de agrado seguro...

Ambiciono bem mais que a sorte
ignoro a morte
em eterno renascer...
pois tudo me leva a crer
nos sonhos que fazem voar...

Capazes até de chegar
no topo infindo do mundo
onde nada é absurdo
o infinito é porto seguro
nas asas do meu querer.

Mavie Louzada

.

Poema do livro SEDE

Adquira!




Vontade... - Anorkinda



Vontade...

Vontade de escrever um poema de amor
mas amor de quem resplandece por inteiro
amor do enlevo que faz flutuar com o cheiro
que ficar no ar, perfumando até o sabor

Vontade de viver um amor de poema
mas poema deslumbrante de vida nova
poema testemunho do amor que se prova
que delicia no olhar, de ler sem esquema

Quero amor leve e de letras móveis
um amor desatinado de surpresa
sem fôlego para paixões solúveis

Quero amor sem razão e cobrança
o amor que põe na mesa
as incoerências desta contradança

Anorkinda

.
Poema do livro MAIS AMAR


Adquira!


.


Atração Fatal - A.J. Cardiais
















O amor vive a perguntar
por mim.
É algo assim...
De atração fatal.

O amor é mortal.
Quando olha pra mim,
rima desigual:
consumir até o fim.

O amor é um mal,
que mora em mim:
às vezes é legal,
às vezes é ruim.


A.J. Cardiais
10.07.2011
imagem: google
Poema do livro Prosopopeia Desvairada

Passatempo - A.J. Cardiais



















O meu passatempo
é o tempo...
Com o passar do tempo
eu invento
um novo momento
para me divertir.

O que há de vir
virá com o tempo
enquanto eu existir.

O meu passatempo
no momento
é querer rir...

Rir da vida que passa:
             às vezes engraçada,       
às vezes sem graça;

Às vezes sem nada:
sem pão, sem ação,
sem prazer,
sem, nem mesmo, viver.

A.J. Cardiais
13/07/2007
imagem: google
Poema do livro Sambaquis

Esculpindo Para Amar - A.J.


Vou esculpir você
com meu carinho.
Alisar seu corpo
como quem passa
uma roupa de linho:
desamassando devagarzinho
os amarrotados da vida.

Vou cobrir você
com meu amor,
e apagar da sua vida
tudo que foi dor,
tudo que te fez sofrer...

Mas espero encontrar em você
a razão do meu viver:
o meu ar, minha água,
minha comida, meu prazer.

A.J. Cardiais
12.06.2011  
imagem: google

ÀS CEGAS - Lena Ferreira








ÀS CEGAS  


Em versos de absoluta entrega
desnuda-te mostrando o sentimento
que lá no canto esquerdo tu carregas
e expões isento de constrangimento

Invejo-te, confesso; não te negas:
vives a vida plena a teu contento
talvez, caminhe eu ainda às cegas
talvez, caminhe ainda contra o vento

E sigo a saga que já me tortura
teço versos que namoram a loucura
enquanto segues ao sabor da brisa

Mas, o teu canto serve-me de alento;
é acordando nesses versos-unguento
que, breve, essa agonia sereniza

Lena Ferreira

.
.

.

Poema do livro QUARTECETOS


.
.

Toda Segunda - A.J. Cardiais














Toda segunda feira
eu morro...
Eu peço socorro
para subir a ribanceira.

Toda segunda,
(não é a primeira)
tenho que levantar
e sacudir a poeira.

Toda segunda
a poesia abunda
de qualquer maneira...

Toda segunda feira,
a vida vagabunda
hasteia a bandeira.

A.J. Cardiais
15.08.2011
imagem: google

Dragões da Poluição - A.J. Cardiais













O poeta quer mostrar serviço...
O poeta quer mudar o planeta.
O poeta quer voltar ao início:
no tempo do “boi da cara preta”.

Não adiantou avançar,
sem se conscientizar...
Não adiantou descobrir
que o azul do céu é o ar...

Não adiantou tanto invento,
sem tomar as devidas precauções...
Agora chegou o momento
de lutar contra os dragões.

Eles estão nos destruindo,
eles estão nos sufocando,
eles estão nos engolindo...

Tem gente não acreditando
e continua poluindo...
E o dragão se alimentando.

A.J. Cardiais
09.08.2011
imagem: google

Futuro e Presente


O futuro é uma série de fatos
não acontecidos:
é a esquina que você não dobrou;
o passeio que não deu,
o carro que não comprou...
É o patamar que você
ainda não conquistou;
a promoção que você
ainda não ganhou,
a compra da casa
que você sempre sonhou...
O futuro são reticências
do não acontecido.
Quando acontece,
não é mais futuro:
é presente.

A.J. Cardiais
imagem: google

Reciclar é o Verbo - A.J. Cardiais














... E no princípio era o verbo.
Os homens não entenderam 
o verbo que lhes deu vida.
Os homens não souberam
reciclar o verbo amar.

Os homens não souberam
amar a tudo que o verbo deixou.
Progrediu, enlameou...
Patrocinou o caos,
em busca de uma evolução.
Revolução é buscar o passado.

No tempo dos chás de ervas
e dos amores difíceis,
podia parecer que era mal,
mas estava tudo bem.

A.J. Cardiais
16.03.2009

Tempo de ser Poeticamente Correto - André Anlub






Tempo de ser Poeticamente Coreto


Lá estavam eles no centro da praça,
Aproveitando a reforma do coreto.

Pintado com belo azul turquesa,
Imponente beleza, de madeira de peroba.

O poeta recitava tão doce e bela obra...
Um soneto de Florbela das estirpes de outrora.

De tanto encanto e sonoridade,
Alcançou sensíveis ouvidos,
Buliu mil verves afora.

Surgiram os novos poetas
Com composições próprias,
Dando mais vida ao feitiço,
Vivenciando o agora.

Eram novos Marias e Joãos
Zés, Fernando e pessoas...

Envernizando o coreto,
Abrilhantando a alma.


André Anlub




Adquira!

Isto é Poesia? A.J. Cardiais


















Hoje acordei irado...
Tô usando o mais novo
significado da palavra.

Acordei inspirado...
Para mim, é o termo 
mais adequado.

O sol ainda não bateu
no meu telhado.
Se estivesse batendo,
agora eu estaria suado.

Ao meio-dia,
faz um calor retado...
Você deve estar indignado
e se perguntando:
Isso é poesia?
Os Teóricos responderão:
não, isso é uma porcaria!

A.J. Cardiais
imagem: google

Poema do livro Isto É Poesia?

Quanto Vale Uma Vida?
















A nossa vida vale o tanto
que um juiz estipula
de prisão ou de fiança.

Não importa se é adulto,
não importa se é criança...

Quando ele bate o martelo,
nossa vida dança.

A.J. Cardiais
03.03.2012
imagem: google
Texto do livro


Amores dos Corpos - A.J. Cardiais




Encontro bailando
perdida a esmo,
no inferno de medos
tão singela donzela
cheia de emoções...

Me entrego de amor
de corpo a corpo
e no baile, bailo,
ao som da luz do dia...
E o sol, amigo das jornadas,
vê nossos corpos
cora-os e cora-se
com tanta paixão desenfreada...

É amor, união?
Amor saliva
sons, céus
e espaços dentro de nós?
Não, nada, não sei...
deixe-me viver
enquanto possuo a sede
de todos os dons.

A.J. Cardiais
imagem: google
Poema do livro Um Quase Nada

.

Bens Duráveis - A.J. Cardiais














Ninguém olha mais as coisas
com zelo, com amor...
O mundo até parece
que só tem destruidor.

São poucos
os que se preocupam,
e muitos
os que destroem.

Hoje eles constroem
para logo descartar.
Poucos pensam em conservar...

Tudo logo fica obsoleto:
por algum defeito,
ou porque querem trocar.

A.J. Cardiais
19.05.2011
imagem:google